18 Setembro 2017

A segunda denúncia

Publicado em Comentário Político

Após participar da posse da nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge, o presidente Michel Temer embarcou para os EUA, onde será recebido por Donald Trump e fará discurso na ONU.

O Palácio do Planalto pediu na semana passada que o Supremo Tribunal Federal suspenda a nova denúncia da qual Temer é acusado de obstrução da Justiça, e liderar a suposta organização criminosa do PMDB da Câmara.

O argumento é que Rodrigo Janot apontou na acusação fatos anteriores ao exercício da Presidência, o que na avaliação do Planalto fere a Constituição.

Outro argumento é de que o andamento da denúncia seja “sustado” enquanto não forem esclarecidos os crimes revelados na gravação feita por engano, que suspendeu o acordo de delação de Joesley Batista e Ricardo Saud.

Na próxima quarta-feira o STF deverá julgar o pedido de suspensão da segunda denúncia. É pouco provável que seja aceito. A tendência do Supremo é dar aval ao ministro Edson Fachin, relator do caso, e remeter a acusação formal contra Temer à Câmara dos Deputados.

Mas é bom lembrar que sempre existe a possibilidade de algum pedido de vista interromper o julgamento. O ministro Alexandre de Moraes, nomeado por Temer, já teria sinalizado essa intenção.

O desejo do Presidente é que a denúncia retorne á Procuradoria Geral da República para as mãos da recém empossada, e também escolhida por ele,  Raquel Dodge.

 

Livre das flechadas de Janot, Temer agora pode voltar a dormir sossegado, sonhando em “atravessar a pinguela” e se manter na Presidência até 2018. Como de cabeça de juiz e bumbum de bebê, ninguém sabe o que vem...

Vamos aguardar a decisão do Supremo.

15 Setembro 2017

A flechada derradeira

Publicado em Comentário Político

O Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, cumpriu sua promessa: antes de deixar o cargo, disparou a última flechada. Denunciou o Presidente Michel Temer pelos crimes de obstrução de justiça e organização criminosa.

Também foram acusados do recebimento de mais de 500 milhões de reais em propinas desviadas de órgãos públicos : Moreira Franco, Eliseu Padilha, Geddel Vieira Lima, Eduardo Cunha e Rocha Loures.

Os delatores Joesley Batista e Ricardo Saud, foram denunciados pelo crime de obstrução de justiça.

Por meio de nota da Secretaria de Comunicação da Presidência, Temer respondeu que a segunda denúncia é realismo fantástico em estado puro, e que os ministros denunciados não serão afastados do cargo.

Para que a denúncia contra o presidente possa virar uma ação penal é preciso a autorização de dois terços da Câmara.

Parlamentares da oposição com quem conversei hoje, afirmaram que além da gravidade dos fatos, causa espanto a naturalidade com que o Congresso tem recebido essas notícias.

E que chama atenção o ambiente de normalidade politica em Brasília, ante as denúncias de crimes praticados por um presidente no exercício do cargo.

A possível explicação para o fenômeno é que uma boa parte dos deputados que irão decidir o destino de Temer, se a denúncia for aceita pelo Supremo, estão envolvidos nos mesmos crimes atribuídos ao presidente. Ou seja, ou se salvam todos, ou todos morrerão abraçados. 

11 Setembro 2017

Temporada de Furacões em Brasília

Publicado em Comentário Político

Temporada de furacões em Brasília. O cenário político está sendo devastado por revelações de corruptos, denúncias de delatores e até por inconfidências de alcova.

No olho da tormenta, o açougueiro predileto de Lula e delator número 1 da República, Joesley Batista teve pedido de prisão preventiva decretada pelo Ministro Edson Fachin e foi preso em São Paulo. Em vez de coquetéis na Quinta avenida agora Ticiana deve levar a quentinha do milionário na Papuda.

Em Curitiba o vendaval Pallocci deu uma pequena amostra da destruição que sua delação premiada deve causar.

Pallocci acusa Lula de ter um “pacto de sangue” com Emílio Oldebrecht e ter recebido um pacote de propina que incluía o terreno do Instituto Lula, o sítio em Atibaia, palestras com cachê de R$ 200 mil cada uma, além de R$ 150 milhões para as campanhas do ex-presidente. Segundo Pallocci, Dilma sabia de tudo.

A ventania causada pela apreensão de 51 milhões de reais por agentes da Polícia Federal em Salvador, colocou Geddel Vieira Lima de volta no presídio da Papuda.

Pra completar, o ciclone Lúcio Funaro revelou em delação premiada, que em apenas dois anos, 2014 e 2015, Geddel recebeu mais de  11 milhões de reais em dinheiro vivo. Falta agora descobrir de onde vieram os outros 40 milhões.

Como dá pra ver, as previsões para a semana que começa em Brasília não são nada boas. Tudo indica que o tempo vai mesmo fechar. Em meio à tempestade de denúncias o melhor é esperar pra ver...