15 Setembro 2017

A flechada derradeira

Publicado em Comentário Político

O Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, cumpriu sua promessa: antes de deixar o cargo, disparou a última flechada. Denunciou o Presidente Michel Temer pelos crimes de obstrução de justiça e organização criminosa.

Também foram acusados do recebimento de mais de 500 milhões de reais em propinas desviadas de órgãos públicos : Moreira Franco, Eliseu Padilha, Geddel Vieira Lima, Eduardo Cunha e Rocha Loures.

Os delatores Joesley Batista e Ricardo Saud, foram denunciados pelo crime de obstrução de justiça.

Por meio de nota da Secretaria de Comunicação da Presidência, Temer respondeu que a segunda denúncia é realismo fantástico em estado puro, e que os ministros denunciados não serão afastados do cargo.

Para que a denúncia contra o presidente possa virar uma ação penal é preciso a autorização de dois terços da Câmara.

Parlamentares da oposição com quem conversei hoje, afirmaram que além da gravidade dos fatos, causa espanto a naturalidade com que o Congresso tem recebido essas notícias.

E que chama atenção o ambiente de normalidade politica em Brasília, ante as denúncias de crimes praticados por um presidente no exercício do cargo.

A possível explicação para o fenômeno é que uma boa parte dos deputados que irão decidir o destino de Temer, se a denúncia for aceita pelo Supremo, estão envolvidos nos mesmos crimes atribuídos ao presidente. Ou seja, ou se salvam todos, ou todos morrerão abraçados. 

Comentários (0)

Deixe um comentário

Você está comentando como visitante.